História 01: Se eu fosse você, Vinho Chianti

14 de julho, 2016 - por Max Franco

estrada

Se eu fosse você, Vinho Chianti

Qual história contaria para engajar meus clientes e colaboradores?

Fazer uso de mitos e lendas é um dos recursos mais valorizados do storytelling, afinal, essas histórias não só agradam, mas conseguem acessar, sem grandes resistências, as emoções dos ouvintes. E, como se sabe, nada  envolve mais do que atingir o emocional das pessoas.

No caso do Vinho Chianti, há uma lenda antiga, possivelmente oriunda do século XIII que chega até os tempos atuais como mais uma prova de audácia da cidade de Florença.

 

Diz-se que naqueles tempos, fartos das muitas baixas causadas pelas disputas por terras, os habitantes de Florença e Siena chegaram a um acordo. Na verdade, seria mais do que um tratado de paz. Alguém propôs uma sugestão inusitada para resolver as ancestrais questões de luta por território entre as duas poderosas cidades. A proposta era uma corrida, onde um cavaleiro de cada cidade deveria disparar a galope em direção a outra cidade, no alvorecer, isto é: assim que o galo cantasse. Afinal, ali não existiam relógios naquela época.  As regras do acordo eram simples: onde os dois cavaleiros se encontrassem, ali, seria mantida a fronteira entre as duas cidades.

Siena decidiu apelar para a força e escolheu o seu melhor galo. Um espécime robusto, viril e bonito. Aquele galo, caso fosse da aristocracia, seria um rei.

Já, em Florença, a ideia foi a inversa. O velho sábio sugeriu que escolhessem o galo mais esquálido. Pegaram, então, um galo pretinho, quase sem penas, magrelo e o deixaram ainda mais faminto do que já era na normalidade.

Chegou o dia, e todos estavam ansiosos para ver qual seria o resultado de cada um dos estratagemas, ou galos, escolhidos.

O galo de Siena cantou forte e belamente mal os raios de sol lamberam os telhados vermelhos da cidade da Santa Catarina. E o cavaleiro, também fornido do cavalo mais veloz das redondezas, partiu célere na direção da cidade rival.

Só que, o Galo Nero de Florença, morrendo de fome, tinha cantado muito tempo antes clamando por alimento para a sua barriga vazia. A vantagem de Florença era tão maior que os dois cavaleiros se toparam apenas a 12 km de Siena. Florença vencera e até hoje o seu território é bem maior do que o de Siena.

Também até hoje, esta região é conhecida como a do Galo Negro, e, justamente é a região produtora de um dos vinhos mais festejados em todo o mundo, o Chianti.

Por isso, todo o vinho produzido nesta zona traz a marca do Gallo Nero. Mais do que uma identificação de qualidade, a prova que a audácia pode vencer a força.

 

toscana2 (1)

 

Pós História :

 

A Toscana é um dos destinos mais visitados da Itália e a região do Chianti é a crème de la crème da Toscana.  Sugiro sempre que o viajante se deixe perder nas suas sinuosas estradas e dramáticas paisagens. Principalmente, na rota mais famosa do Chianti  (estrada SS222), também conhecida como Via Chiantigana, que liga Florença à Siena, cruzando o centro da zona vinícola.

Os vinhos mais importantes que são produzidos na região da Toscana são os populares Chianti e Chianti Clássico. A maioria destes vinhos pertence ao consórcio Clássico e traz o símbolo do gallo nero (galo preto) estampado no rótulo.

Outros importantes vinhos toscanos são Montalcino, Montepulciano, Bolgheri, Carmignano e Maremma. Mas, também há os vinhos brancos produzidos nos arredores de San Gimignano, como por exemplo, a Vernaccia.

Ao sul da Toscana, se produz o tradicional e aclamado Brunello de Montalcino, que, juntamente com o Barolo, é o mais festejado vinho tinto italiano.

A região da Toscana onde se produz este vinho é uma das poucas a levar a classificação mais alta na hierarquia das regiões vinícolas italianas – a DOCG (Denominação de Origem Controlada Garantida).