Da Vida

21 de agosto, 2019 - por Max Franco

Da vida, da vida entendo pouco e diminuindo gravemente todo dia.
A gente nasce e está vivo, daí em diante tudo o que ocorre é vida, até a morte.
Entendo que se nasce e que se morre.
Não sei por quê.
Entendo do pão mais do que do recheio.
A gente nasce, anda e cai. A gente vê, escuta, fala e cai.
A gente cresce, ri um pouco, espera muito, chora mais e também cai.
A gente ama uns, suporta outros, ignora a maioria. E, lógico, cai.
A gente, depois, odeia quem amou e é mais odiado ainda por quem já o amou.
Gente, maquininha ininterrupta de desiludir.
A gente dança e cai. Pula e cai. Gira e cai.
A vida é salto e queda. Cai saltando. Cai caindo.
E eu entendo patavina.
Quem sabe descubro tarde. Quando a vida anoitecer. Aí não adiantará mais nada.
Nem entardecer. Nem viver.
Da vida, entendo nada.
E me sussurra ao ouvido um anjo ateu:
– E ainda vai diminuir