Projeto de vida e trabalho – A 6a competência da BNCC

01 de novembro, 2018 - por Max Franco

A 6a competência trata da vida profissional e, em suma, do projeto de vida que esse estudante começa a traçar a partir da sua adolescência. Ela vai falar daquela famosa pergunta que, mais cedo ou mais tarde, ele vai ter que começar a responder: o que você vai ser quando crescer?
Há alguns elementos que devem ser colocados como ingredientes dessa reflexão: liberdade para escolher a sua profissão, autonomia para desenvolver as próprias habilidades e desenvolvimento de um comportamento ético. A escola deve realizar um trabalho sistematizado com o objetivo de levar a compreender e colocar em prática esses elementos a fim de favorecer aos jovens estudantes a construção de fundamentos sólidos para que, no futuro, eles possam escolher as suas profissões e desempenhá-las com eficiência.
É importante que os alunos sejam estimulados a planejar ações e a entregar com pontualidade e qualidade as tarefas às quais se propuseram. Os currículos devem prever atividades que favoreçam a perseverança, a manutenção do foco e da concentração, o trabalho cooperativo em equipe, a liderança e a capacidade de avaliar se realizaram um bom trabalho para que possam se aperfeiçoar cada vez mais.
A competência 6 é importante porque ela vai se deter em uma questão muito importante para qualquer pessoa: o sonho. Esses estudantes têm suas metas e seus sonhos. É importante que a escola estimule-os a sonhar e os ajude a desenvolver as suas habilidades para que possam alcançar seus sonhos.
O importante é que o currículo possa favorecer oportunidade para pensar e discutir sobre o futuro desses garotos e dessas garotas. Um futuro que vai além do mundo do trabalho. É mais relevante que a discussão se encaminhe para “quem” ele deseja ser amanhã do que para o “quê” pretende ser. Esse “quem” se relaciona mais com um departamento mais subjetivo. Ele trata dos valores, da ética, das responsabilidades, do sentimento de pertença e da cidadania.
A 6a competência é mais uma que pode ser bem trabalhada nas viagens de estudo do meio, afinal são oportunidades oportunas para que os alunos possam observar o mundo com as suas inúmeras atividades, necessidades e funções. A escola deve, portanto, orientar os estudantes a enxergarem a atuação profissional que dão sustentação às relações da sociedade. Quais são as atividade profissionais em uma fazenda? São as mesmas em ambiente urbano? Quais são as habilidades necessárias para ser médico ou policial? O que é importante para um engenheiro ou advogado?
Em suma, os alunos devem ser estimulados a perceberem as atividades profissionais que são desempenhadas cotidianamente, mas, de forma diferente, em diversos lugares. Há perguntas que são essenciais para desenvolver essa competência número 6: Quais são as competências necessárias para cada uma dessas profissões? Como eles se vêem no futuro? Quais são seus sonhos? Como se enxergam em alguns anos? Como um profissional pode agir para melhorar a sociedade?
São várias as dinâmicas e atividades que podem ser exploradas para aplicar a 6a competência nas viagens pedagógicas de alguma escola. Os alunos devem ser instigados a entenderem o mundo do trabalho e a fazerem seus projetos de vida com criticidade e responsabilidade, levando também sempre em conta a coletividade e a cidadania. O importante, mais uma vez, é que a escola priorize tempo e ocasião para planejar e executar esse trabalho.
Os estudos do meio são, seguramente, oportunidades propícias para que a escola possa trabalhar todas as competências da BNCC.