A biografia da cidade

02 de abril, 2019 - por Max Franco

A biografia da cidade

 

 

Olá, meu nome é Aquitânia e eu sou uma cidade.

Isso mesmo. Eu sou uma cidade que se apresenta, isso lhe estranha? Pois eu lhe digo: toda cidade conta uma história ou, na verdade, várias histórias. Você vai desejar conhecer ou não essa cidade em virtude da história que ela lhe conta.

Você talvez deseje conhecer Paris pelas histórias que lhe contaram da Cidade-Luz. Você assistiu a filmes ou a séries. Leu romances. Curtiu posts feito por amigos ou parentes. Escutou canções sobre Paris. Foram muitas narrativas sobre a capital francesa até você se sentir motivado a conhecê-la. Você assistiu ao Les Misérables, Anastasia, Meia-noite em Paris, Ratatouille… É muita informação, muita história… É lógico que, mais cedo ou mais tarde, esse desejo de conhecer a cidade que lhe contou tantas histórias viria à tona. O turismo é feito de histórias!

Por que hoje você não desejaria conhecer Alepo, na Síria, mesmo sendo uma cidade maravilhosa com séculos de história? Você matou a charada: porque as histórias que Alepo lhe conta hoje são de bombas e destruição. Você valoriza a História, mas respeita mais as histórias.

Pois eu tenho uma história para lhe contar: sou uma cidade jovem, mesmo tratando de Brasil. Tenho 130 anos. Fui fundada por colonizadores alemães que vieram para o Brasil durante uma grande carestia na Europa. Esse povo corajoso e lutador veio sem passagem de volta, sem saber a língua, estranhando os costumes, a gastronomia, a terra e a religião, mas soube trabalhar e ergueu, com muito esforço, uma pequena cidade. Pequena, mas orgulhosa. E orgulhosa com razão. Aquitânia é uma cidade de belos predicados: segura, limpa, bonita, educada, solícita e receptiva. É uma cidade que gosta de receber seus visitantes.

Na verdade, não só o trade turístico recebe treinamento para atender bem os turistas. Todos os cidadãos da cidade sabem da importância do turismo e, por isso, são continuamente treinados a manter um alto nível de receptividade. Turismo gera empregos e prosperidade quando realizado de forma planejada e sustentável.

Hoje, eu tenho 300 mil habitantes, mas recebo a mesma quantidade anualmente de turistas, seja nas nossas festas, seja para visitar as nossas atrações naturais. Temos trilhas, canoagem, arvorismo, rafting e fazendas que oferecem muitas alternativas do chamado “Turismo rural”.

Sabe a história que mais repetimos aqui em Aquitânia?

– Em Aquitânia, o turista se sente em casa, longe de casa!

Isso mesmo: essa é a sensação que gostamos de ressaltar por aqui. Chamamos o turista pelo primeiro nome, sem formalismos, sem cerimônias. Queremos que o visitante nos procure para se sentir bem, comer bem, se divertir e relaxar. Queremos que ele venha, volte e nos indique para os amigos.

Afinal cidades contam histórias, mas as melhores são aquelas repetidas por várias bocas.