Para quem está de férias: Novas dicas de Livros, Filmes, Séries…

20 de julho, 2017 - por Max Franco

Férias, para que te quero?

 

Para se entender alguma coisa a Lei da Relatividade, não é preciso ser nenhum Einstein, basta perceber o que acontece nas férias. Você passa meses que mais parecem anos esperando até que chegue o esperado, almejado, querido mês de férias. Aí, você acorda e pula de felicidade, “Estou de férias, nem acredito !!!”. Depois, você pisca e passou uma semana. Você boceja e já foi outra. Na última, você tem até medo de se mexer e já se dar conta de que está mais uma vez na sala de aula assistindo à aula de inglês ou fazendo aquela  criativa redação “As minhas férias”!

Pois a última semana está tocando a sua campainha e o que fazer? Mudar-se para a Sibéria? Tentar viver da sua arte na praia? Talvez não.  Fernando pessoa, o grande poeta lusitano, dizia: “Para ser grande, sê inteiro: nada Teu exagera ou exclui. Sê todo em cada coisa. Põe quanto és no mínimo que fazes.” A resposta da questão é o velho e bom CARPE DIEM, isto é, aproveite o dia. Aproveite o dia como quem espreme a laranja até a última gota, mas com consciência e responsabilidade, é claro.

Mas o que fazer para aproveitar estes últimos dias de férias? O melhor é sempre estar com as pessoas que amamos e que nos fazem rir. Gente leve que topa se divertir com qualquer coisa à toa. Gente que nos diverte só por existir e estar ao nosso lado. Essa é a primeira boa dica. Mas, há outras. Que tal um bom livro? Já conferiu os últimos lançamentos da J.K. Rowlling? Ela não erra. Nem quando usa o pseudônimo de Robert Galbraith. Por isso, vale a pena dar uma olhada nestes títulos: “O chamado do cuco”, “O bicho da seda” e “Vocação para o mal”. Você verá que a famosíssima autora dos também famosíssimos livros da saga Harry Potter também sabe se enveredar bem nos caminhos sinuosos da Literatura de suspense e de mistério. O que poucos sabem é que “O chamado do cuco” também foi negado pelas editoras no começo da sua carreira de escritora. Exatamente como ocorreu com o “Harry Potter e a pedra filosofal”, que recebeu mais de dez negativas de diversas editoras, as quais, depois, certamente, entraram em depressão. Vale conferir!

Se você curte séries, há um naipe de material muito bacana que merece ser visitado. Se você for da galera que aprecia histórias com super-heróis, há uma gama de possibilidades muito legais: desde “Gothan”, “Flash”, “Legends of tomorrow”, se você for mais jovem, até, para os adolescentes tardios, “Punho de ferro”, “Demolidor”, “Agente Carter”, “Agents of S.H.I.E.L.D”,  “Luke Cage”, “Jessica Jones” e “Sherlock” (é um fenômeno!)  Já se você quiser uma série mais “densa, vale dar uma olhada em   “Last Kingdom”, baseada na (também) excelente série de livros do célebre autor inglês, Bernard Cornwell, “As crônicas saxônicas”. “The Tudors” e “The crown”.

Já se você quiser se entreter com um filme bacana em casa, há muita opção. Mas, vamos listar aqui algumas sugestões para lhe ajudar a escolher algo que valha a pena ser conferido. “Truque de mestre”, “Caçada mortal”, Sicario”, “O atirador”, “Os suspeitos”, “Código de conduta”, “Protegendo o inimigo”, “O plano perfeito”, “Crimes em primeiro grau”, “Homens que não amavam as mulheres”, “72 horas”, “O menino do pijama listrado”, “O jogo da imitação”, “O fabuloso destino de Amelie Poulain”, “Para sempre Alice”, “Um ato de liberdade”, “Selma”, “O sorriso de Monalisa”, “O livro de Eli”, “Até o último homem”. Lembre-se sempre de observar a idade sugerida para o filme, e de providenciar a pipoca e o guaraná.

Caso você queira curtir um bom cineminha no cinema, aí podemos sugerir, é claro, “o Homem-Aranha, de volta ao lar”, “Meu malvado favorito 3”, “O círculo” e, não perca, “Em ritmo de fuga”, é um filme surpreendente. Não se deixe levar pelo título babaca, porque é bacana!

As últimas dicas que queremos dar são: Não fique parado tempo demais. Vá se movimentar. Vá para a praia, caminhar no ar livre e praticar esportes. Férias pedem dinamismo e movimento.

E, depois, quando elas acabarem, não se deprima. Põe quanto és no mínimo que fazes. A vida continua e pede outras coisas, e, essas também podem ser divertidas e relevantes. Não dá para se divertir sempre, até porque acabaria sendo chato. Mas, dá para viver cada instante com intensidade. Boas férias!