A BNCC e os estudos do meio

10 de setembro, 2018 - por Max Franco

As 10 competências gerais da BNCC

  1. Conhecimento;
  2. Pensamento científico, crítico e criativo;
  3. Repertório cultural;
  4. Comunicação;
  5. Cultura digital;
  6. Trabalho e projeto de vida;
  7. Argumentação;
  8. Autoconhecimento e autocuidado;
  9. Empatia e cooperação;
  10. Responsabilidade e cidadania.

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) se desdobra em competências e habilidades que os alunos devem desenvolver ao longo da Educação Básica.

Nesse contexto, um grande desafio consiste em desenvolver o ensino e as atividades pedagógicas com base nessas competências e habilidades, abandonando o foco  exclusivo no acúmulo de conteúdos, na resolução de exames e nas práticas costumeiras da maioria das escolas.

A BNCC, em suma, é uma proposta de trabalho de diversas competências e habilidades que visa prover uma formação integral que sirva realmente como uma base para toda a vida dos estudantes.

Como as práticas de estudo do meio e viagens pedagógicas podem ser adotadas dentro das escolas com o intuito de desenvolver as competências da BNCC?

Basta observar que todas as competências gerais da BNCC podem ser desenvolvidas em atividades de estudo do meio e viagens pedagógicas.

Faz-se necessário, portanto, entender o Estudo do Meio como uma metodologia ativa interdisciplinar, que busca possibilitar a alunos e professores uma aproximação direta com uma determinada realidade, um espaço que se pretende estudar, favorecendo  uma maior compreensão, de forma autoral e crítica, do ambiente visitado. A construção de um Estudo do Meio possibilita o desenvolvimento dos processos de ensino e de aprendizagem de diversas disciplinas, proporcionando aos envolvidos nesta atividade a ampliação de uma observação curiosa e investigativa acerca lugar visitado.

Estudar o meio significa encontrar elementos para melhor compreender a interação do ser humano com o espaço, de forma que possibilite ao aluno um contato com o mundo que o cerca, desenvolvendo a percepção por meio de práticas empíricas. O Estudo do Meio representa um método de ensino agregador do currículo, podendo também acontecer de modo interdisciplinar.

 

De acordo com Lopes e Pontuschka (2009), o progresso do Estudo do Meio é o resultado de um planejamento flexível, porém, consistente e criterioso, que envolve ao menos sete etapas, a saber:

1ª Etapa: Início: conhecimento dos sujeitos sociais; 2ª Etapa: Recortes – espaciais e temáticos; 3ª Etapa: Objetivos e planos de trabalho; 4ª Etapa: Construção do caderno de campo; 5ª Etapa: Trabalho de Campo; 6ª Etapa: Sistematização dos dados obtidos; 7ª Etapa: Avaliação e análise dos resultados.

O Estudo do Meio não representa uma situação alheia à vida escolar. Uma viagem pedagógica não pode ser encarada como meramente entretenimento. Ela não é extrapedagógica.  Ele é parte formadora e, ao mesmo tempo, propiciadora de uma atribuição agregadora do trabalho educativo na escola e assim deve ser praticada.